Personagem

Como sou preguiçoso, vou roubar o “histórico”  (de novo) do personagem de outro review que já fizemos do nosso querido Carcaju (veja aqui e aqui).

Wolverine (palavra em inglês para “carcaju”, animal típico das florestas do Canadá), é um herói de histórias em quadrinhos publicados pela Marvel Comics. A primeira aparição do personagem foi na revista de HQ Incredible Hulk #180 (outubro de 1974) e foi criado pelo escritor Len Wein e pelo diretor de arteJohn Romita, que desenvolveu o personagem, e foi primeiramente desenhado para publicação por Herb Trimpe. A primeira aparição (como já citado acima) de Wolverine foi na revista The Incredible Hulk #180, em Outubro de 1974, em história escrita por Len Wein e desenhada por Herb Trimpe. A partir daí, o personagem fez aparições em várias publicações da Marvel Comics, até fazer sua maior participação emThe Incredible Hulk #181, em Novembro de 1974 novamente em história de Wein e Trimpe. John Romitadesenhou o personagem em uniforme amarelo e azul e foi apresentado apenas como sendo um agente super-humano do governo canadense. Nessas aparições, suas garras não eram mostradas retráteis, embora Len Wein já tenha dito que elas sempre foram desenhadas com essa idéia.

O passado de Wolverine sempre foi coberto de mistério. Cobaia de uma experiência governamental (o Programa Arma X) Logan pouco sabe sobre sua vida pregressa, pois teve memórias falsas implantadaspelos militares. Só recentemente se descobriu seu verdadeiro nome: James Howlett. Nascido emAlberta, no Canadá, filho de Elisabeth e John Howlett. É irmão mais novo de John Howlett Jr., que “morreu” logo cedo. Devido ao seu “Fator de Cura Mutante”, o envelhecimento de Logan é lento, fazendo com que sua idade certa seja indeterminada. Sabemos porém que ele lutou na Guerra Civil Americana e na Segunda Guerra Mundial (ao lado do Capitão América). No livro do autor Hugh Matthews, intitulado“Lifeblood”, Wolverine está preso em um campo de concentração na Polônia chamado “Höllenfeuer”(algo como ‘Fogo do Inferno’), durante parte da Segunda Guerra Mundial.

Já tendo atuado como agente secreto da C.I.A. e do Serviço Secreto Canadense, ao cair em desgraça junto a seus superiores, ele foi caçado como uma ameaça, capturado e enviado a custódia de cientistascanadenses, participantes do “Programa Arma-X, quando se descobriu que ele era um mutante comfator de regeneração e com garras ósseas retráteis saindo de cada pulso. Esse programa, (parte do programa Arma Extra, que pretendia criar máquinas de guerra perfeitas), precisava de “voluntários” para sua técnica de implantes de Adamantium, (um metal fictício, sendo o mais resistente da Terra), noesqueleto humano. Graças ao seu fator de cura, Logan conseguiu sobreviver aos experimentos: o resultado foi que todo o seu esqueleto foi revestido com o metal experimental.

Conseguindo escapar do Programa, Logan viveu como um animal durante muito tempo nas florestas canadenses, sem memória e agindo apenas por instinto. Só voltou ao convívio da sociedade quando ocasal Heather e James McDonald Hudson o encontraram, cuidando dele e o fazendo se comportarcomo um humano novamente. James (que era o herói Víndix) o convidou para fazer parte da Tropa Alfa, osuper-grupo de heróis canadenses. Logan atuou com o grupo canadense até ser convocado peloProfessor X (juntamente com um grupo de mutantes novatos) para salvar seus pupilos originais deKrakoa, a “Ilha Viva”. Após o bem sucedido resgate, Wolverine aceita o convite do Professor epermanece nos Estados Unidos, tornando-se um membro ativo dos X-Men, onde permanece até os dias de hoje.

Após a Saga Queda dos Mutantes, no período em que os X-Men foram dados como mortos e passaram a atuar tendo como base uma cidade abandonada no deserto australiano (antiga base dos Carrascos de Mutantes), Logan começou a dividir seu tempo junto com a equipe em aventuras solo. Estas se passavam em Madripoor (uma ilha, capital de um principado fictício ao sul de Singapura), onde ficou conhecido comoCaolho, por usar um tampão em um olho. Essa fase foi mostrada no Brasil com o lançamento de suaRevista-Solo, pela Editora Abril,no início de 1992. Em uma aventura (publicada no Brasil em X-Men Gigante nº2) onde Magneto pretendia lançar sua empreitada rumo ao domínio do mundo através base espacial que controlava, Wolverine teve todo o Adamantium retirado de seus ossos pelo vilão. Foi essa aventura que mostrou pela primeira vez que as suas garrasexistiam antes da experiência do programaArma X. Depois disso, Wolverine passou por um período totalmente voltado ao seu lado animalesco, praticamente irracional, sendo incapaz de até mesmo de pronunciar uma só palavra. Somente com a ajuda de Elektra e Stick, ele conseguiu recuperar o auto-controle.

Posteriormente, os ossos de Wolverine voltaram a ser recobertos de Adamantium pelo vilão Apocalipse, que o transformou no Cavaleiro “Morte”. Após se livrar do controle mental, o herói teve de passar por umperíodo de readaptação e treinamento. Logan já teve três esposas: a empresária japonesa Mariko Yashida, a índia canadense Raposa Prateada (fato questionável, devido aos implantes de memória que o herói recebeu) e a vilã conhecida como Víbora (antiga Madame Hidra). Este último casamento não ocorreu por vínculos afetivo: Wolverine se sentiu na obrigação de se casar para cumprir uma promessa feita a uma amigafalecida a muitos anos atrás: Seraph, a fundadora do Bar Princesa. Já Víbora desejavaassegurar seu domínio sobre o mundo do crime na cidade fictícia de Madripoor.

Um personagem de extremos, Wolverinerepresentou diversos “papéis” dentro dos X-Men. Tendo passado de “garoto-problema” a “tutor” e “consciência” do grupo, o comprometimento de Logan com osonho de coexistência pacífica entre humanos e mutantes é total. Considerando os X-Men sua família, ele, de sua maneira característica, sempre oferece ajuda a todos os membros em momentos dedificuldade, aconselhando-os ou chamando-os à realidade, da maneira que se fizer necessária.  E ahistória dele ainda segue na X-Force, Guerra Messiânica, Vingadores, Dinastia M, Dizimação, Guerra Civil… ufa.. post gigantesco… mas vamos ao review

Detalhes da Peça

Embalagem: Como vocês poderão conferir no vídeo no fim do post, a embalagem é um “apanhado das boas práticas” já adotadas pelas demais fabricantes, e não vejo isso como um crime, afinal, por qual razão não seguir uma fórmulaconsagrada? Extremamente compactas, as embalagens da linha Art Scale do Iron Studios apresentam a proteção necessária para uma peça de resina – combinando papelão, plástico, isopor e uma pequena manta de espuma. A arte da embalagem chama atenção, apoiando-se no conceito de reproduzir em suas laterais, o uniforme do personagem o qual abriga. Na parte superior da caixa está escrito um mote do personagem (para os desavisados, mote é um dizer ou frase famosa que um individuo sempre utiliza/repete ou é associada a ele), no caso do WolverineI’m the best that is at what I do“, que ficou conhecida por aqui como “Eu sou o melhor naquilo que faço“. A parte frontal conta com uma tampa similar a uma porta (devidamente fixada por meio de dois velcros), no melhor estilo dos mini-bustos da Kotobukiya – ao abri-la é possível ver uma imagem do personagem no lado esquerdo e, no lado direito, uma pequena abertura de plástico para visualização da peça. Dentro da caixa, a peça fica acomodada em um isopor moldado a seu corpo que, junto a um blister plástico, mantem a figura presa, evitando que ela se movimente na embalagem. Na parte traseira desse mesmo isopor temos um encaixe para a base do personagem, otimizando assim, o tamanho da embalagem. Essa apresentação inicial do produto é um dos pontos fortes da linha (da até para expor a caixa junto).

IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (1) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (3) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (4) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (5) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (7)

Escultura: A posição escolhida ficou muito interessante, representando um Wolverine meio agachado, como que preparando seu ataque (ou mesmo ofegante após uma longa batalha). Não notei nenhum erro de anatomia (como, por exemplo, os que tínhamos na linha Danger Room Sections da Kotobukiya) e acredito que a esculturaagradar os fãs de modo geral. Dois pontos fortes em minha opinião: as veias no braço e as cânulas por onde as garras saem estão com detalhamento excepcional, especialmente se considerarmos a escala reduzida do produto (1/10) a qual pode dificultar o trabalho de escultura. Algo que quase ia me esquecendo de comentar (e que fiquei em dúvida durante a gravação do vídeo), as garras são realmente de metal!

IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (8)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (16) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (24)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (10)

Pintura: Esse ponto para mim, sempre foi o grandeCalcanhar de Aquiles” do Iron Studios (especialmente depois dos problemas apresentados na Legacy Replica da Mark 42). Dentre erros e acertos, acredito que estão começando a aprender com os próprios erros e a qualidade da pintura da peça me impressionou. Nas peças que tive acesso para análise, não foram encontradas manchas ou imperfeições na pintura, a qual está uniforme e respeitando os limites de cada parte da estátua. Nas primeiras fotos do protótipo percebia-se uma mudança atípica de tonalidade na pintura dos braços, devido aos pelos do Carcaju e, aparentemente, essa inconsistência foi resolvida e o sombreamento foi muito bem realizado. Alguns deslizes ainda foram cometidos, vide no lado esquerdo da máscara, onde temos tinta escorrendo. O ponto forte fica por conta do efeito cromado nas garras. De modo geral, fui surpreendido positivamente pelo resultado final.

IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (29)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (22)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (33)

Articulações: A figura não possui articulações.

Acessórios: A figura não possui acessórios, porém, vou colocar aqui alguns detalhes sobre a base. O mesmo padrão se repete em todas peças da linha Art Scale, apresentando na sua parte central e frontal, o logotipo do nome do personagem. O diferencial na peça do Wolverine, são as marcas de garra, como se ele tivesse cortado o material. De cor única, a base ainda apresenta um (1) pino de fixação para prender a peça a base, o que deixa uma das pernas sempre solta e, ao meu ver, com o passar do tempo, pode causar riscos na base. A parte inferior conta com pequenas borrachinhas, para evitar o contato direto da mesma com o expositor.

IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (36) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (37)

Roupa/Vestimenta: Uniforme clássico, não temos muito o que dizer além disso.

IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (15) IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (17)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (12)IRON_STUDIOS_TOY_REVIEW_ART_SCALE_WOLVERINE_REVIEW (14)

Ano de Lançamento: 2015.

Escala: 1/10.

Valor: o valor da peça gira em torno de R$ 250,00.

Onde Comprar: a figura utilizada nesse review nos foi cedida pelo Iron Studios pode ser encontrada em todas as lojas de colecionáveis em território nacional.

Video Review

Considerações Finais

Acredito que seja uma ótima relação entre custo e benefício para os colecionadores que, ou não disponham de muita verba ou de espaço físico e queiram aventurar-se no mundo das estátuas, tornando-se uma alternativa economicamente atraente para substituir os cartelados. Sou suspeito para avaliar qualquer peça que seja do Wolverinemeu mutante favorito) entãotendo a ser um crítico mais ferrenho. Em resumo, eu compraria essa peça. Uma grata surpresa!

Galeria de Imagens

 

Leave a reply