Personagens

Castlevania: Judgment (Akumajō Dorakyura Jajjimento, ou algo como “Castelo Demoníaco Drácula: Julgamento“), foi o primeiro jogo da franquia Castlevania para o console Wii (Nintendo) e também o primeiro da série a apresentar o estilo de luta “um-contra-um”. Lançado em Novembro de 2008 nos Estados Unidos, Janeiro de 2009 no Japão e Março de 2009 na Europa. De acordo com o produtor da série, Koji Igarashi (conhecido apenas como “Iga” entre os fãs) eis o enredo principal que norteia os acontecimentos do jogo: “Muitos de vocês devem saber que a linha cronológica da série ultrapassa 1.000 anos e existe um personagem que está tentando destruir essa linha, devido a isso, uma diversidade de personagens de eras diferentes são trazidos a um único local/tempo“.

Esse personagem em questão é Galamoth, cuja idéia é a de enviar o “Time Reaper” (um equivalente a Morte que sempre auxilia Drácula, porém que serve ao exército de Galamoth) 10.000 anos a frente no futuro, de volta para o passado para que ele possa destruir seu rival Drácula e mudar o curso da história. Aeon (um viajante do tempo) descobre o plano de Galamoth e reúne os campões de diversas eras da história em uma fenda temporal, para que, assim sendo, possa encontrar um deles que seja capaz de derrotar a “Time Reaper“.

“Neste mundo, uma batalha colérica vem ocorrendo por eras entre os caçadores de vampiros e suas presas. Treze pessoas ao redor do globo foram chamadas para esta dimensão alternativa por meio de uma fenda temporal. Um misterioso homem chamado Aeon surge diante destes treze escolhidos e lhes informa que, ao passarem por seus julgamentos, poderiam ter um de seus desejos garantido… Os julgamentos nada mais são que as batalhas que ocorrerão entre aqueles que foram ali reunidos. Mas qual será o ganho daquele que sobreviver aos julgamentos? Como eles poderão sair desta fenda temporal? Uma batalha épica do destino entre eras está prestes a começar!

Como é comum a todos os jogos de luta, existe uma história por trás de cada um dos personagens. As maiores críticas ao Castlevania Judgment se devem ao fato de ser um jogo de luta e, devido a isso, desconexo do restante da série. Em segundo lugar, o design dos personagens é um tanto quanto diferente dos padrões da franquia (tendo ficado a cargo de Takeshi Obata, famoso ilustrador japonês, muito conhecido por seu trabalho na série Death Note). Adicionalmente a esse segundo ponto, o nebulosoclima de Castlevania” –  um fator difícil de quantificar ou descrever – é muitas vezes tido como “ausente” neste jogo, com a maioria dos projetos dos personagens mostrando tendências pesadas a um estilo mais comumente visto nos animes comtemporâneos mais genéricos (com o design de certos personagens sendo totalmente incongruente com a sua aparência préviamente estabelecida em outros jogos). Outro “desapontamento” geralmente citado pelos fãs é a quanto a motivação de cada um dos personagens e as interações estabelecidas entre os mesmos (exemplos: o triângulo amorosoclichê” entre os personagens oriundos de Castlevania III: Dracula’s Curse e, mais bizarro ainda, a enorme fixação de Maria por “peitos“, como pode ser visto neste video aqui – onde ela deliberadamente faz comparações entre seus seios e os de Shanoa, Sypha Belnades e Carmilla).

Como a história de Maria Renard foi contada em maiores detalhes no post anterior (aqui) – sendo a personagem aqui apenas uma “encarnação” mais nova, com a mesma idade que ela tinha em Rondo of Blood – e a de Simon Belmont entrarei em mais detalhes em um review específico, vamos ao que interessa, espantem os morcegos da sala

Detalhes da Peça

Embalagem: Acredito que não seja muito diferente do tipo de embalagem que encontramos em qualquer outra figura de PVCPapelão e blisters internos “moldando” a figura para evitar que elas fiquem “dançando” na caixa e, é claro, os tradicionais plásticos para proteger a pintura – embora isso não tenha ocorrido – em pontos estratégicos.  Na frente da embalagem é possível observarmos a figura por uma abertura selada com filme plástico mais rígido, além de uma ilustração dos dois personagens lançados, nos traços do artista Takeshi Obata (responsável por todo “character design” utilizado na franquia Judgment), além do logotipo original japonês do jogo. Nas laterais podemos ver novamente ilustrações baseadas na arte de Obata, retratanto Simon Belmont e Chibi Maria. Parte traseira – sem grandes mistérios – trazendo mais algumas informações sobre as duas peças, além de informar que as mesmas formam um pequeno diorama. Simples e eficiente.

Escultura:  Devido ao tamanho diminuto das figuras, posso afirmar que a escultura está extremamente detalhada e bem-feita e que, consegue superar o trabalho realiza no Vol.2 (Alucard e Maria) lançados também pela Konami, nesse caso então não seria uma superação, pois Simon Belmont e Chibi Maria se tratam do Vol.1, primeiro conjunto de personagens da série lançados, sendo assim, podemos presenciar uma notável “redução” na qualidade dos lançamentos futuros. Mas… e digo mas, pois há um enorme porém, essa percepção de qualidade da escultura pode ser dada não por um fator tangível, mas por algo subliminar, me explico… o traço de Obata é muito mais maleável, plástico que o de Kojima, e permitiu assim, que os personagens tivessem maior semelhança com os “artworks” do que os de  Kojima, sendo assim, mais fiéis e “dinâmicos”. Novamente faço menção a qualidade que, em linhas gerais, supera as dos atuais lançamentos das figuras Bishoujo da Kotobukiya. A base da figura é bem simples (simulando um terreno com pedras e areia), porém cumpre bem seu papel de manter as figuras em  com firmeza e montar o pequeno diorama.

Pintura: A pintura das peças é muito bem-executada se levarmos em conta a dimensão pequenina dos detalhes. Quando comparamos as figuras de Alucard e Maria Renard, é notória como a qualidade da pintura dessas duas figuras é superior (assim como a quantidade de detalhes). O grande diferencial, fica por conta da impressionante habilidade ao reproduzirem as tatuagens espalhadas pelo corpo de Simon Belmont e, em especial, no seu pescoço, em uma espécie de “tribal“. A qualidade da pintura dos olhos de Maria também está impressionante (como não poderia deixar de ser em uma figura do estiloanime“).

Articulações: Não há (falamos aqui de estátuas) e, por sinal, quase não há rebarbas nas peças (muito menos do que ao comparado ao Vol.2).

Acessórios: Não há acessórios (OK puritanos – again – consideremos o chicoteVampire Killer” do Simon Belmont e a Coruja – presa dentro do cetro e MUITO mais fotogênica que a da versão de Symphony of the Night – da Maria como acessórios).

Roupa/Vestimenta: Novamente temos nesse quesito o ponto de destaque das peças. As roupas são um prato cheio para os “fetichistas” e entusiastas de couro e látex. Um verdadeiro ode ao movimento gótico. A roupa de Chibi Maria é rica em detalhes que remontam ao poder sacro da igreja, como crucifixos e a pomba (símbolo do espírito santo), tudo isso contrastando com a micro-saia, meia calça com direto a cinta liga e botas de salto gigante no melhor estilo dominatrix (que renderiam boas seções de Bondage – vai lá olhar no google, pervertido/a) e, para fechar com chave de ouro aos tarados de plantão,  temos até foto da calcinha da “donzelaviciada em “peitões“. Fivelas, muitas fivelas nas roupas de ambos personagens, algo típico da cultura gótica e “masoquista“, com certeza, Marilyn Manson adoraria usar um figurino desses. Já Simon Belmont, além de todos os adereços como muitas fivelas e couro, ainda apresenta uma quantidade significante de partes que combinam esse tecido a metal, como pequenasarmaduras“, tendo o ponto alto no ernome crucifixo dourado que toma quase que a totalidade de suas costas. Todos detalhes dos traços de Obata estão aqui, para ver e tocar em um trabalho impressionantemente bem executado pela produtora das peças.

 

Ano de Lançamento e Fabricante: 2009, Konami.

Quantidade de peças produzidas: Não existe informação oficial sobre a quantidade de figuras produzidas, uma vez que elas eram “prêmios” para uma espécie de arcade (pachislotbaseado na série, lançado apenas no Japão (mesma ladainha do review anterior).

Escala: 1/10 (aproximadamente 15cm de altura).

Valor: Atualmente você encontra (com muita sorte e persistência) a figura entre USD 50,00 e USD 200,00 (em sites de leilão on-line, dependendo muito do estado de conservação, etc.) – mesma ladainha do review anterior.

Onde Comprar: sites de leilão online, vai ser praticamente impossível achar isso pra vender em alguma loja.

Considerações Finais:

Novamente digo, belíssimas figuras para os amantes da série. Essas conseguiram ficar ainda mais fiéis do que as baseadas em Symphony of the Night. Figuras obrigatórias, raríssimas e mandatórias para os fãs da série!

Galeria de Imagens

 

Leave a reply