Personagem

Tyrant é o codinome de uma leva de “chefões” na série de jogos eletrônicos de terror Resident Evil produzida pela Capcom, originalmente apresentado no primeiro jogo da franquia em 1996. Os Tyrant são supersoldados mortos-vivos extremamente altos, desenvolvidos por meio de engenharia genética, criados e utilizados pela sinistra Umbrella Corporation (Corporação Umbrella – ou Guarda-Chuva). Essas criaturas aparecem como inimigos principais na maioria dos jogos da série, onde o desejo de criar uma arma biológica e obediente reside como sendo o centro da trama. Esses personagens também fazem aparições em outras franquias da série e até em outros jogos não diretamente relacionados. Desde a sua primeira aparição, a série Tyrant se tornou um dos personagens mais populares e conhecidos da franquia. Um Tyrant muito notável é o Nemesis, inclusive sendo o título do terceiro jogo da franquia, Resident Evil 3: Nemesis.

Quando na criação do personagem, os artistas da Capcom passaram por um processo de tentativa e erro ao desenvolver as criaturas Tyrant e suas transformações. Um bom exemplo, a T-103 (popularmente conhecida como “Mr. X”) foi originalmente concebido portando armas de fogo: em alguns rascunhos é possível vê-lo utilizando um respirador e roupas com armaduras ao invés da tradicional capa de chuva (existem, inclusive, variações dessa capa, incluindo, até mesmo, um jaleco de laboratório), até mesmo suas proporções corporais variaram bastante, indo de uma compleição física grande, passando por outras mais magras ou extremamente musculosas.

Os jogos da série apresentam diversos tipos de Tyrant como resultado de experimentos diferentes. Seguidos pela descoberta do vírus Progenitor, os fundadores da Umbrella Corporation tornaram-se ansiosos pela criação de uma Arma Bio-Orgânica (no original em inglês, BOWBio-Organic Weapon), que seria tanto poderosa, quanto capaz de receber ordens. Antes dos eventos de Resident Evil Zero, a Umbrella usou o vírus Progenitor para criar o vírus Tyrant (T-Virus), o qual eles acreditaram que poderia ser utilizado para gerar poderosos organismos. Um problema de compatibilidade do vírus com humanos fez com que o projeto fosse abandonado, uma vez que apenas humanos com uma carga genética muito rara eram capazes de sofrerem a mutação em formas de vida potentes e gerenciáveis. A Umbrella, eventualmente superou esse contratempo por meio da utilização de clones de Sergei Vladimir, um dos executivos da corporação que se mostrou geneticamente compatível.

Durante os eventos de Resident Evil Zero e Resident Evil Chronicles, a Corporação Umbrella focou seus avanços no desenvolvimento dos protótipos do Tyrant, o T-001 (conhecido como Proto-Tyrant) e T-002. Apesar dos primeiros Tyrant serem derrotados em suas derradeiras aparições, a Umbrella foi capaz de utilizar as informações de batalha para desenvolver outros Tyrant mais eficientes, o que podemos ver nos eventos finais do primeiro Resident Evil. Numerosos Tyrant foram criados durante a cronologia da série, tais como: Tyrant T-078 e os estranhos monstros “Bandersnatche” produzidos em série no episódio Code Veronica, Hypnos no jogo Resident Evil Survivor e Thanatos do episódio Resident Evil Outbreak, cada qual com uma gama de características próprias. Uma versão melhorada também deu as caras durante a fase de desenvolvimento de Resident Evil 5, mas acabou não aparecendo na versão final do game.

Os Tyrant tem sido consistentemente descritos como criaturas grotescas e brutalmente violentas, mas com diferentes aspectos e graus de inteligência. Os primeiros dois Tyrant em Resident Evil Zero e Resident Evil são descritos como desprovidos de inteligência, enquanto o T-103 (Mr. X) em Resident Evil 2 e o Nemesis em Resident Evil 3 parecem possuir inteligência limitada e a habilidade de seguir instruções específicas. Ambos Nemesis e a série T-103 (dois outros Tyrant T-103 de codinome Ivan aparecem em Resident Evil: The Umbrella Chronicles) são propensos a sofrerem uma mutação incontrolável quando recebem danos. Em Code Veronica, Alexia Ashford consegue manter todo seu nível de inteligência após ser exposta ao vírus T-Veronica e ganha habilidade físicas, tal como pirocinese, similarmente, o TG-Virus que mutou D. Durvall em Resident Evil: Dead Aim (Tyrant T-092) ganha habilidades bio-elétricas. As armas utilizadas pelos Tyrant também têm variado: enquanto boa parte dos Tyrant que apareceram na série confiavam em sua força física para subjugar seus oponentes, Nemesis mantinha alguma inteligência – devido ao parasita que carregava – conseguia manipular algumas armas, como um lança-foguetes e uma metralhadora giratória em Resident Evil: Operation Raccoon City, bem como a T-ALOS (Tyrant-Armored Lethal Organic System, traduzindo ao pé da letra, Sistema de Armadura Orgânico-Letal) em Umbrella Chronicles, além de ter um pequeno lança-mísseis equipado em sua ombreira.

Eu acho que por hora é isso que dá pra falar sobre esse monstrovamos ao review!

Fonte: Wikipedia

Detalhes da Peça

Embalagem: embalagem no já consagrado padrão: caixa de papelão, isopor uma fina manta de espuma envolvendo as peças para evitar que a pintura seja danificada. Na parte frontal, temos uma montagem com a foto da peça e uma arte que simula as dependências de um laboratório, além do logotipo da empresa fabricante. Nas laterais e topo, temos o logotipo da Umbrella Corporation com a mesma arte do laboratório. Na parte traseira seguimos com a arte do laboratório, um descritivo da peça, algumas informações sobre o fabricante e o logotipo da empresa licenciadora (Capcom). Um toque interessante fica por parte da abertura no isopor que nos permite vislumbrar parte da mão de Tyrant, sem a necessidade da abertura total desse invólucro – um terrível prenúncio do terror que nos espera

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-1 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-2 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-3 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-5 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-7 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-8 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-9

Escultura: o primeiro ponto que chama atenção, logo de cara, é a maneira como a peça é apresentada, com uma escultura em um único bloco, ou seja, sem encaixes de partes do corpo, sendo o personagem apresentado de modo inteiriço – a única parte extra é a base, que se conecta apenas a uma das pernas. Do alto dos 54cm da estátua – lembrando que a altura do personagem gira em torno de 2,45massumimos então que temos um colecionável em escala 1/6, repleto de detalhes que evidenciam as partes decompostas que contrastam com a musculatura forte e órgãos expostos, fruto das modificações genéticas realizadas pela Umbrella. Partes tomadas pelo vírus são representadas por feridas purulentas, veias e artérias expostas e a mão que, após o efeito do vírus, tornou-se uma gigante garra articulada. Obviamente, não podemos deixar de mencionar o artista por trás do processo de escultura, Gabe Perna.

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-11 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-12 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-13 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-14 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-18 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-24tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-10

Pintura: em minha humilde opinião, um dos pontos de destaque da peça. Apesar de partes onde a pintura é quase que toda lisa, o sombreamento de outras, em especial, das partes tomadas mais intensamente pelo T-vírus, possuem uma riqueza de nuances e tons que os apreciadores de Zumbis irão aprovar. A pintura da base também foi realizada com atenção aos detalhes, com manchas no piso que simulam o desgaste natural do revestimento do laboratório. Cabos em pintura metalizada completam o cenário. Ficam aqui nossos cumprimentos ao artista John Allred, responsável por todo conceito e supervisão dos trabalhos de pintura.

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-33tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-21 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-23 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-25

Articulações: A figura não possui articulações.

Acessórios: a figura não possui acessórios. Mas vale chamar atenção aos detalhes da base, que completa com perfeição a composição da peça, apresentando o chão do laboratório com grades de ventilação e cabos elétricos e de alimentação da câmara que continha a arma biológica perfeita.

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-82 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-91 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-92 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-95

Roupa/Vestimenta: bom, não sei nem se esse tópico seria necessário, uma vez que o Tyrant em Resident Evil aparece como “veio ao mundo”. Mas vamos usar esse espaço para comentarmos sobre aspectos bizarros, como a ausência de orelhas, ou mesmo, de lábios, deixando a arcada dentária do monstro a mostra. Confesso não ser o tipo de criatura que gostaria de esbarrar por aí…

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-26 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-74 tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-77

Ano de Lançamento e Fabricante: 2.015, Hollywood Collectibles Group.

Quantidade de peças produzidas: a tiragem produzida é de 750 peças (versão regular) e 150 peças (versão exclusiva, a qual acompanha uma arte).

tyrant_hollywood_collectibles_group_resident_evil_toyreview-com-96

Dimensões: 54,00 cm (H) x 35,00 cm (D) x 25,00 cm (P); 5,00 Kg.

Escala: 1/6.

Valor: o valor da peça em seu lançamento era de USD 350,00.

Video Review

Considerações Finais

É o tipo de peça que eu nem imaginava que tivesse sido produzida, mas a partir do momento que recebi um e-mail do fabricante, tornou-se uma quase obsessão trazer o Tyrant para minha coleção. Relembrar os momentos de pavor em um laboratório apertado ou mesmo contar os segundos fugindo em um heliporto até que o tão esperado lança-mísseis chegasse as suas mãos para destruir o monstro… só quem viveu essa angústia duas décadas atrás sabe o quão relevante foi o papel dessa criatura. Com uma apresentação à altura do monstro, execução bem realizada, preço acessível e uma alta dose de nostalgia que nos toma de modo mais arrebatador que um vírus, eis aqui uma peça obrigatória para os fãs da franquia da Capcom.

Galeria de Imagens

 

Leave a reply