Rainha Negra | Comiquette – Sideshow Collectibles [Review]

Personagem

Como a personagem em si, neste caso, misturaduas” outras personagens – a Rainha Negra e Jean Grey (Fênix) – tentarei fazer um breve resumo e conectar as mesmas.

Primeiramente, temos que falar do Clube do Inferno (Hellfire Club). O Clube do Inferno é uma sociedade de super-vilões da Marvel Comics. Foi criada como inimiga dos X-Men durante a fase escrita por Chris Claremont e John Byrne (este último era também o desenhista). O Clube do Inferno foi inspirado numa sociedade secreta real do século XVIII e, principalmente, numa paródia dessa mesma sociedade apresentada no seriado inglês The Avengers. Para a maioria das pessoas a sociedade parecia ser apenas um clube exclusivo frequentado por membros da elite de diversos países. Entretanto, seu círculo interno é formado por super-humanos (mutantes e outros) dedicados a acumular poder e influenciar a política global. O grupo apareceu pela primeira vez durante o clássico arco de histórias que apresentavaFênix Negra, voltando à cena várias outras vezes posteriormente e sendo parte importante da origem da equipe X-Factor e de personagens como Bishop. Na sua primeira aparição o Clube era organizado numa hierarquia simbolizada pelas peças do xadrez, como Rei Negro, Rainha Negra e Rainha Branca. Mais tarde apareceram outros postos como Princesa Guerreira e Lorde Imperial.

O Clube do Inferno conta com a filiação de pessoas ricas e célebres nas cidades de ParisHong KongNova York e Londres. Todas essas filiais se encontram sob o comando único do Lorde ou da Lady Imperial. A filiação ao Clube pode se dar tanto por direito hereditário quanto por convite por merecimento. Vários heróis e vilões da Marvel, desde Tony Stark Norman Osborn, já tiveram direito a se filiar. Alguns a aceitam com o mero intuito de se deliciar com as comodidades da instituição enquanto outros (mesmo os que não conhecem o caráter de seu Círculo Interno) se associampensando em usá-la como alavanca social. É desconhecido da maioria dos membros o fato do Clube ser dirigido pelo Círculo Interno (anteriormente conhecido como Círculo dos Escolhidos). Aos poucos esse Círculo Interno foi sendo infiltrado por super-seres, principalmente mutantes.

Os X-Men foram surpreendidos em seu primeiro contato com o Clube, quando seus agentes foram enviados para subjugarFênix e acabaram sequestrando vários outros mutantes. Apesar de a princípio Jason Wyngarde, o Mestre Mental, ter conseguido controlar a mente da Fênix, a pressão que a mesma sofreu depois ao ser confrontada com Ciclope levou-a a entrar em colapso, resultando na personalidade da Fênix Negra. O Clube foi então derrotado mas não destruído, retomando várias vezes suas atividades ilícitas. Ele continua atuando atualmente e, embora haja uma troca constante de membros causada por suas intrigas internas e confrontos com os X-Men, sua estrutura permanece quase inalterada, com praticamente os mesmos sistemas de postos. As constantes intrigas, traições e chantagens que impregnam o Clube garantem que nenhuma formação do Círculo Interno seja duradoura – desse modo, nos interessa apenas aquela a qual Jean Grey (ou Fênix) fez parte, o Segundo Círculo Interno (Lordes Cardeais), formado por: Sebastian Shaw (Rei Negro), Emma Frost (Rainha Branca), Donald Pierce (Rei Branco), Fênix (Rainha Negra), Harry Leland (Bispo Negro), Jason Wyngarde (Bispo Branco – membro em fase de aceitação) e Tessa (assistente de Shawn).

Agora, faz-se necessário falarmos um pouco mais sobre a Fênix.  Nas histórias em quadrinhos de hoje, os leitores vêm a Fênix como uma entidade cósmica psiônica ligada a Jean Grey, tendo sido escolhida pela Força Fênix por ser a única mutante de nível 5 com poderes ilimitados. No entanto, esta não foi a forma como o personagem foi escrito na história original – lá, a Fênix era Jean Grey, no auge de seu poder. Retornando de uma missão no espaço, a história contada de Jean, após ser exposta à radiação mortal de uma tempestade solar, acabou brevemente por atingir o seu potencial máximo, que já era ilimitado, como uma telepata e telecinética. Neste momento, Jean tornou – se um ser de pensamento puro, com poder cósmico infinito e reformou-se, em seguida, após o regresso à Terra com o novo traje, identidade e poder da “Fênix“. Foi com este poder incrível que Jean consertou o Cristal M’kraan, mas voluntariamente restringido seus poderes depois, a fim de mantê-los sob controle. Com os seus poderes ampliados pelas radiações, terá sido, talvez, a personagem mais poderosa da Marvel, podendo criar ou destruir universos, ressuscitar mortos, com poderes capazes de desintegrar qualquer coisa que desejasse e qualquer pensamento seu poderia ser tornado realidade. Será também a única personagem capaz de entrar em uma estrela e consumir a sua energia.

Seu vasto e infinito poder cósmico, fez dela um alvo para o ilusionista Mestre Mental, que estava tentando pôr ela à prova a fim de fazer-la juntar-se ao prestigiado Circulo Interno do Clube do Inferno. Com a ajuda de um dispositivo criado pela Rainha Branca, Emma Frost, Mestre Mental (usando o nome Jason Wyngarde) foi capaz de projetar as suas ilusões diretamente na mente de Fênix. Essas ilusões a levou a acreditar que ela estava revivendo as memórias de sua antepassada, Lady Grey, que nas ilusões, era amante de Wyngarde. Fênix foi subvertida em juntar-se ao Clube do Inferno como a Rainha Negra, um papel decadente que lhe permitia apreciar os extremos da emoção humana e começou a quebrar as barreiras que tinha erguido. Quando os X-Men vieram em seu socorro, eles foram capturados pelo Circulo Interno, Ciclope e Jason se enfrentaram em um duelo psíquico. Quando Jason matou imagem psíquica de Ciclope, serviu para quebrar o domínio sobre a mente de Jean e quebroubarreira final sobre o seu poder. Tendo esse poder em sua totalidade, juntamente com o papel decadente que acabara de interpretar, Jean, totalmente oprimida, se renomeou como a “Fênix Negra“.

 Bom, vamos ao que interessa

FonteWikipedia

Detalhes da Peça

Embalagem: Mais uma vez temos o esquema compost0 por uma embalagem de papelão, com arte temática de acordo com o personagem. A impressão que tenho é de que as caixas mais antigas eram mais bem trabalhadas/elaboradas do que as atuais, e essa reflete exatamente este meu sentimento. A arte da capa mistura elementos como fotos reais da peça em contraponto com a ilustração de Adam Hughes que serviu como inspiração para a modelagem (na parte frontal e laterais da caixa). Na parte traseira, novamente encontramos uma foto real da peça sobreposta a ilustração, além de um breve “histórico” da personagem. Na tampa da embalagem temos o brasão estilizado do “Hellfire Club” com um enorme “H” e um tridente. Interessante mencionar que em todas as lateraisexceto na base – temos a presença do logotipo estilizado da personagem com uma peça de xadrez, obviamente, uma Rainha Negra. As peças vem protegidas individualmente por pedaços de espuma e um material similar aquele que encontramos protegendo as telas de televisores e monitores, feito isso, as partes são encaixadas no isopor, propiciando a proteção adequada para o material da estátua (resina cold-cast).

Escultura: Apesar de, de uma maneira geral a escultura ser bem “simples“, ela é muito fiel a arte de Adam Hughes e, como de praxe, extremamente sensual. A grande “sacada” mora na execução dos detalhesatente aos fios que amarram o corpete (ou corselet), aos cadarços da bota, a leveza dos traços do rosto e, ainda mais, a plasticidade dos movimentos das costas da personagem – em contrapartida, temos uma típicaamericana” – seios fartos, bundachapada“. O detalhamento do “coque” no cabelo também impressiona. A base é similar a de outraRainha“, nesse caso, a Branca, Emma Frost (embora eu ache essa peça mil vezes mais bem esculpida – há espaço para muita discussão com relação a isso), apresentando de pequenaslajotas“. A escultura da peça é praticamente inteiriça, sendo composta de: um (1) corpo completo; uma (1) capa, um (1) chicote e uma (1) base.

Pintura: Rosto impecável e com “olhar lânguido“. Acredito que alguns detalhes da vestimenta mereciam ter recebido uma “mão mais firme“, como no colar cheio de espinhos e mesmo na calcinha fio dental que estão um pouco borrados/tremidos… mas nada que comprometa a qualidade da peça, é somente meu senso crítico que está muito elevado neste momento. Nada fora do usual padrão apresentado pelos trabalhos da Sideshow Collectibles.

Articulações: Não possui.

Acessórios: A figura não acompanha acessórios (somente um chicote).

Roupa/Vestimenta: A peça em si não possui muita roupa, sendo toda a “poucavestimenta esculpida diretamente junto ao corpo. Conforme mencionado no tópico sobre a qualidade da escultura, os detalhes chamam muita atenção, seja nas botas, luvas, corpete, ou até mesmo no colar de espinhos – com pequenas fivelas – ou em uma rosa vermelha no punho da personagem. Admito que a calcinha fio dental dela é um dos meus “pontos fracos” que fizeram com que me apaixonasse pela peça. Ponto extremamente bem executado fica por conta da capa e a sensação de “movimento” que ela transmite – um trabalho executado com primor.

Ano de Lançamento e Fabricante: 2009, Sideshow Collectibles.

Quantidade de peças produzidas: 850 (versão exclusive, a qual acompanha arte original) e 1.500 (versão regular).

Dimensões: 41,91 cm (H) x 24,13 cm (P) x 24,13 cm (D); 2,27Kg.

Escala: 1/5.

Valor: na data de lançamento o valor da peça era de USD 164,99, porém, atualmente você consegue encontrar a mesma entre USD 700,00 e USD 1.500,00.

Onde Comprar:  a figura utilizada nesse review foi adquirida diretamente de um colecionador no exterior, mas vale dar uma conferida em nossa loja parceira, a Toyshop Brasil.

Considerações Finais

Linda, rara e cara, o que mais posso dizer? Tirem suas próprias conclusões 🙂

Galeria de Imagens

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.